diario


Há dias assim. Vai-se aborrecido ao cinema à espera de mais uma cena monotona e sai-nos um filme Escoçês, daqueles que marcam uma geração. A banda sonora dava um blogue por si só. Por agora fique-mo-nos com Iggy Pop e ” Lust for life”

Estive montes de horas a trabalhar nos meus blogues olímpicos, é o que está a dar e há que aproveitar.
Mas estava a trabalhar na ginástica rítmica e não pude deixar de lembrar-me da Manucha.
A Manucha era uma lisboeta morena perfeita e ginasta que vinha a Braga com os seus irmãos Mesquitela passar as férias do verão. Ficava na casa do seu primo o ilustre desconhecido Adolfo Luxúria Canibal.
Claro que ela tinha os pré-adolescentes todos na mão, todos adoravam a Manucha.
Da 1ª vez não me deu grande bola. Deve-me ter achado raquítico de mais para o seu gosto. Mas nos anos seguintes viramos grandes amigos e que saudades de ela fazendo acrobacias só para mim, que me pareciam impossíveis e eu sentado no muro. Isto com ordem para não olhar antes que ela pusesse sua saia no sitio.
Era incrível, vê-la pelo canto dos olhos fazendo o pino só com a mão direita e com a esquerda ajeitando sua saia para tapar as calcinhas e depois dizendo: – Agora sim podes olhar
Isto para explicar que estas coisas que vemos na Tv dos atletas e nos parecem simples, são tão difíceis e requerem tanto trabalho e disciplina que até a ultima classificada merece o mundo a seus pés

É uma das frases irritantes que por vezes (cada vez mais) me saiem. Mas acabo de ler um artigo sobre como era Potugal há 30 anos, sem a histeria das Tv’s, o politicamente corecto … muito engraçado, deixo um link para o texto.

COMO TUDO MUDA EM 30 ANOS

Só para dizer que detestei este novo “layout” aqui do wordpress. Fica tudo muito mais confuso, ao menos ao outro já conhecia os truques. Tenho para aí uns 4 blogues nesta conta, e tenho medo de estar a pôr este post no blogue da Ana Malhoa. Até ficava fixe digam lá?

Parece que o Cristiano Ronaldo marcou mais um golo hoje. Lá vou ter eu que ir ao youtube buscar o resumo do jogo, para pôr no meu blogue do Chris, antes de ir dormir, que é do que estou a precisar urgentemente.

O site AltSearchEngine.com propôs que o dia 1º de Abril (o dia dos tolos) fosse declarado dia oficial sem o Google. Este site fornece uma lista de 300 motores de busca alternativos ao Google. E se mesmo assim, o vicio fôr mais forte e não conseguirmos resistir a uma pequenina pesquisa podemos sempre dizer que foi brincadeira de 1º de Abril!

Quem me dera poder ser tão fiel ma minha vida profissional como na passional.

Como homem até que, quando me comparo com a cambada de infieis que me rodeiam, posso dizer que sou um homem de confiança. Aquela ideia de uma mulher para toda a vida…

Como webmaster é uma desgraça, penso: – Agora durante umas semanas vou-me dedicar aos sites e blogs que já tenho, mas depois tenho uma ideia e divorcio-me de todos os sites e toca a fazer um novo site sobre o que quer que seja, e ainda nem acabei esse e já estou a partir para outro. Pareço um swinger dos blogues. E não há meio de me emendar. Se vos mostrasse a quantidade de sites e blogs que fiz na última semana iam-me propôr para o Guinness Book! lol

Não me apetece dormir, nem trabalhar nem nada, assim que querido diário vais ter de me aturar…

O país está espantado com a cena da aluna a gritar com a “stora” por causa de um telemóvel

Que coisa mais ridícula, como se não se passassem todos os dias cenas 30 vezes mais graves nas escolas deste país. Como se não houvessem quotidianamente professores a sofrer agressões e abusos muito maiores. Não dá é no Youtube, mas estou certo que se passam.

Felizmente que me fartei de ser professor há uns 7 anos, foi a melhor coisa que fiz na vida. Mas os resultados eram de prever dada a progressiva desautorização dos professores, transformados em burocratas, “assinadores” de milhares de papeis e redactores de milhares adendas para as actas, cada dia mais idiotas.

A escola vista como depósito de alunos, sem obrigações quase nenhumas e tantas outras coisas de que nem me quero lembrar, terminaram, nisto.

Já no meu tempo não era pêra doce, mas ser professor do secundário, hoje em dia em Portugal, deve ser das profissões mais desgastantes do mundo.

Página seguinte »