Sou só eu ou anda meio mundo a ficar farto do Google enquanto motor de busca?
A sério, esta ultima actualização foi a gota de água. Os resultados são, na maior parte das buscas, patéticos. Na minha opinião claro. Mas isto não foi apenas um bug, como já aconteceu antes, mas é sim o corolário de estupidez sobre estupidez. Já o tinha aqui há um ano. Um destes dias todos os sites decentes sobre um tema estarão banidos ou penalisados no Google e nas serps só saírá lixo ainda não banido!

Tenho-me visto forçado enquanto utilizador a recorrer, ao Yahoo e Msn nas minhas pesquisas diárias. Enquanto SEO estou mais que farto do Google do que da crise. Para quê tentar entender um motor de busca que em vez de trabalhar se senta à sombra da bananeira e cujo único objectivo parece ser perseguir todo e qualquer Seo.
O Google lembra-me uma serpente gigante a devorar a própria cauda.
A inércia tem muita força, mas o Google enquanto motor de pesquisa, parece-me condenado a médio prazo.
E o adsense vai pelo mesmo caminho, ouçam o que vos digo.

Anúncios

Hoje, graças a uma bola de borracha, que saiu voando pela janela,  passei horas com o Artur, que é o filho de 3 anos da minha empregada.

Já não me divertia tão genuinamente há muito tempo. O mundo, mesmo o mais trivial, visto pelo olhos de uma criança é completamente novo. O seu espanto quando finalmente encontramos sua  pequena bola vermelha rodeadas de pombas, entretidas com coisas de pomba: – Como elas não comeram minha bola?

Vamos no café, pede um copo de água, a senhora lhe dá um. Ele bebe mas no final faz questão de trazer o copo: – Ela me deu o copo de água choramingava. O melhor do mundo são mesmo as crianças:

Ai que prazer
Não cumprir um dever,
Ter um livro para ler
E não o fazer!
Ler é maçada,
Estudar é nada.
O sol doira
Sem literatura.

O rio corre, bem ou mal,
Sem edição original.
E a brisa, essa,
De tão naturalmente matinal,
Como tem tempo não tem pressa…
Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.
Quanto é melhor, quando há bruma,
Esperar por D. Sebastião,
Quer venha ou não!

Grande é a poesia, a bondade e as danças…
Mas o melhor do mundo são as crianças,
Flores, música, o luar, e o sol, que peca
Só quando, em vez de criar, seca.

O mais do que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças
Nem consta que tivesse biblioteca…

Fernando Pessoa

Não vai assim à tanto tempo, tinhamos uma vida serena, calma e pequeno burguesa. Eu e a esposa davamos festas amiúde, a música corria agradável na nova, aparalhagem paga as prestações. Todo o mundo se divertia, mas quando o meu querido Ed. punha pela 2ª vez consecutiva a Lacrimosa tinhamos que decidir quem ia levá-lo a casa e metê-lo na cama, o gajo era pesado e a conversa animava:
Primeiro vem o Confutatis, só depois a tal Lacrimosa tudo isto é do requiem, como é lógico, e lindo como tudo: